Sobre/About sPiLL

SPiLL

Os SPiLL são uma banda de rock criada pelo guitarrista André Fernandes, um músico paralelamente  reconhecido pelo seu percurso na área do jazz e música mais experimental.
Fernandes começou a tocar no circuito de bares de rock em Lisboa ainda adolescente e cresceu sempre com música a seu lado. Entretanto envolveu-se com o jazz e, focado no estudo, ingressou na Berklee College of Music em Boston, e passou algum tempo em Nova Iorque, tendo entretanto solidificado o seu lugar como músico muito solicitado, tocando regularmente por todo o mundo. 
No entanto, o seu interesse pela música sempre foi muito diverso, e no inicio dos ´00, numa fase em que passou muito tempo em pistas, raves e afins, alguma música e ritmos eletrónicos foram assimilados e suscitaram muito interesse, tendo nessa altura criado os SPiLL, que na altura cruzava jazz com musica eletrónica tocada live, com músicos como Kalaf (Buraka Som Sistema), João Gomes (Orelha Negra, Cool Hipnoise), Marta Hugon, e mais tarde, DJ Ride, entre outros, tendo com essa formação tocado em todo o tipo de sítios, do Pequeno Auditório do CCB, a Paredes de Coura no Jazz na Relva, ao Bicaense, a bares de má fama no Cais do Sodré. O blog Rua de Baixo apelidou o grupo de “a banda sonora da noite lisboeta” e durante uns anos os SPiLL atraíram um vasto número de pessoas num circuito e percurso muito “underground”.
Anos depois, Fernandes reformulou a banda (mais uma espécie de seu alter-ego) e levou a música directamente para o rock, voltando-se para as suas mais fortes e mais profundas influências desde jovem. O disco “What Would You Say” (Blitz/Sony) sai em 2017, produzido por Fernandes e Marcos Cavaleiro (um dos dois bateristas do grupo actual), e revela 10 músicas que segundo a revista Arte Sonora trazem “Guitarras cheias de twang, baterias demolidoras e a voz de Sara Badalo, carregada de poder eloquente, frenética e provocante, assumindo despudorada o protagonismo como frontwoman da banda. Há canções de teor experimental, cruzando estruturas rítmicas complexas e oscilações de intensidade. E há canções que são simples porrada rock. André Fernandes não faz qualquer questão de negar Queens Of The Stone Age como uma referência nas composições de “What Would You Say”. Em “Breakup Song”, ritmicamente, surgem as primeiras pistas disso. Contudo, as raízes jazz dos músicos acrescentam um factor de diferenciação e divergência aos sPiLL, a banda soa com sofisticação em vez de irascível. Mas em “Homme” está tudo às claras (o título inclusive, obviamente). Um instrumental carregado de peso e propulsão, com o corpo sonoro da guitarra colado ao de “Songs For the Deaf”. É em “All The Little Things” que se dá o cruzamento e congregação de todas as personalidades e correntes estéticas na base dos sPiLL e do disco. Espontaneidade jazz, verticalidade electrónica e agressividade rocker.”

Os SPiLL, um bocado como espelho dos seus mentores, é uma amálgama de influências rock, desde o lado mais punk vivido pela vocalista Sara Badalo (Sam Alone and The Gravediggers), ao lado mais garage vindo de Fernandes, mais soul do lado de Marcos Cavaleiro, mais jazzistico de André Sousa Machado, ou mais pop do teclista Óscar Graça, tudo se junta para o som denso do grupo, que acaba por fazer rock sem pretensões de profundas mensagens, mas de puro divertimento aliado a algum surrealismo no som e na forma, com muito sentido de humor.
Os elementos do grupo vêm de toda a parte, de norte a sul, 2 do norte, 3 de Lisboa e uma do Algarve. São todos um bocado caóticos, o que torna o grupo um bocado caótico e desorganizado, o que por sua vez faz de cada concerto um evento cheio de energia e surpresa para todos os envolvidos, banda e público, o que finalmente torna o grupo uma cena muito intensa no bom sentido para a banda.

“SPiLL are a Lisbon based rock band, formed by guitarist Andre Fernandes, an otherwise accomplished musician well known for his jazz and experimental music career. Fernandes started playing in rock bands in his teens and entered the Lisbon rock club scene when he was 17 years old.
He got into jazz and focused on his music studies, going to Berklee College of Music on Boston, and spending some time in New York where he built a solid reputation that led him to play around the world with several international jazz acts to this day. In the early 2000´s he formed his band SPiLL, that at the time crossed jazz with live electronic music, having people like Kalaf, from Buraka Som Sistema by his side, and making an impression on the Lisbon underground scene for a few years. He now reformed SPiLL, and went full rock and roll with it, going back to his early and deeper influences as a youngster.
With influences ranging from Deerhoof to QOTSA and PJ Harvey, the band has it´s new album “What Would You Say?” out on Blitz Records/Sony Music in April 2017.”

Sara Badalo . voz/vocals

André Fernandes . guitarra, voz/guitar, vocals

Óscar Graça . piano, teclados/keyboards

Nuno Lucas . baixo/bass

André Sousa Machado . bateria/drums

Marcos Cavaleiro . bateria/drums

 

email spill: spillband@gmail.com

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s